Tu me Amas?

No Evangelho de João 21, 1-9, um diálogo especial entre Jesus e Pedro encerra o relato da aparição do Ressuscitado à beira do lago de Tiberíades, após os discípulos presenciarem mais uma pesca milagrosa. Estavam eles a noite toda pescando, sem sucesso. Ao amanhecer, o Senhor aparece na margem do lago e pergunta-lhes se possuem algo para comer. Diante da negativa do grupo de pescadores, Jesus sugere-lhes que joguem a rede à direita do barco e esta, imediatamente, se enche de peixes. Da mesma forma, os homens reconhecem o Mestre naquela figura nem tanto distante do ponto onde se encontravam, mas talvez ainda escondida pelo lusco-fusco da manhã.

Já em terra, saciam a fome de pão e da presença do Senhor. Depois, já à parte, Jesus conversa reservadamente com Pedro, e lança lhe por três vezes a pergunta “Pedro, tu me amas?” (Jo 21, 15 ss.) A resposta de Pedro já era sabida pelo Mestre, que conhecia o coração daquele homem simples. Sim, o Discípulo o amava; e o amava tanto que seria capaz de apascentar suas ovelhas, cuidar do grupo dos Apóstolos que se espalharia pelo mundo a pregar a Boa Nova e deixar-se matar por amor à Palavra de Deus.

Muitas interpretações podemos fazer a respeito dos motivos que levaram Jesus a repetir por três vezes a pergunta. Não nos importam aqui, contudo. Importa-nos o seu eco que chega aos nossos ouvidos hoje e também nos interpela. Substituamos o nome de Pedro pelo nosso nome… seríamos capazes de responder com a certeza do Apóstolo? 

Ao longo de nossas vidas, Jesus repete-nos essa pergunta. Naqueles momentos de noite escura, nos dias de intensa alegria em que as coisas do mundo nos entorpecem, no dia a dia dos ônibus lotados e dos desafios do trabalho, enfim, a cada minuto somos chamados a responder: amamos verdadeiramente Jesus? Somos capazes de aceitar diligentemente a missão que Ele nos confia, tal como confiou a Pedro o cuidado de suas ovelhas?

A última frase do diálogo de Pedro e Jesus é um imperativo “Segue-me!” (Jo 21, 19b). O que conversaram a partir dali, não se sabe. Sabe-se a obra do Apóstolo, a Igreja que se ergueu e se expandiu.  Até o final de sua vida, Pedro seguiu o Mestre que um dia lhe chamara do meio das redes para ser pescador de homens e a Ele foi fiel.  Possamos escutar o chamado a esse seguimento do meio de nossas redes diárias, segui-Lo com fidelidade e responder continuamente: Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo!

Jussara

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *